18/12/2012

Não dá mais

Não há meios
De levar adiante
O que ficou para trás:
Respeito.
E você.

21/09/2012

Aflorações defloradas de uma flor caída ao chão (ou "Porra, mas que dor a saudade traz!")

Você é meu amor impossível correspondido,
Depois de tantos interrompidos.
E você também se foi.
Mas me deixou com a certeza que não me deixou de amar.
Eu preciso mais do que posso dar,
Amor.
Preciso acreditar na beleza e nas saudades desse nosso fim.
Guardei pra você todos os meus piores segredos
Num Schiele grande e atormentado por traços desencontrados,
Encontros marcados nunca são observados.
A gente sempre observa mais os erros.
Nunca quis o direito com você.
Preferia sempre sair às escondidas,
Puxando você pelo braço e arrastando seu coração duro morro abaixo,
Pra ver se o quebrava
E libertava o desejo escondido ali.
Dentro de mim nunca houve fim.
Só respeito
E desejo (in)contido por você.
Vai até o fim
E nunca volta atrás.
Porque nunca é tarde para corrigir os acertos e repetir os erros.
Eu fui
O seu maior.
O seu...

20/09/2012

Amor...

Entendi porque tanto falam do amor, porque tanto querem o amor. Falam do que não tem, querem o que não tem. O que é escasso, raro, é esperado, desejado, romantizado. É o amor, símbolo real do impossível perenal: até que uma morte nos separe, qualquer uma.

31/08/2012

Resposta a um certo soneto de Vinícius

E de repente nem se está ausente.
Pode ser presente,
Futuro reticente.
Mas só se o diálogo for diferente,
Se aprenderem a ser gente.
E nunca indiferente.
Que sejam amantes,
Errantes,
Inconstantes
E perdoantes.
Que sejam livres,
Que sejam leves,
A ponto do vento levar.
E voem para algum lugar.
Não deixem de arriscar!
Sem grudar,
Sem cobrar,
Sem pensar
Onde se vai chegar.
A graça está sempre em caminhar,
Ou voar.
E quando se quiser parar,
Que, então, se pare,
E, então, separe!
Não há culpa para quem entende o momento
E respeita seu próprio sentimento.
___________________________________________________
Em homenagem aos amigos Thiago e Sabrina. Agosto de 2013.

24/08/2012

Excesso é uma droga!

Por muito tempo usei drogas,
Agora elas me usam.
E não sei onde vou parar.
Excesso é uma droga!

23/08/2012

Clima

Quando nuvens se aproximam,
Carregadas por você,
Abro minha caixa d'água,
Esperando chover.

Quando relâmpagos fotografam,
Minha cara de saudade,
Minha vontade de você,
Fico cego um momento,
Aguardando seu ruído.

E quando você chega na minha terra,
Molhando minha secura,
Adoçando minha amargura,
Faço lama com os pés
Para deitarmos e rolarmos.

22/08/2012

Dentro e fora

Vai lá fora ver se chove.
Aqui dentro está tudo molhado.
E nem sei nadar.

Vai lá fora ver o que se passa.
Aqui dentro, nada passa.
E não sei sair.
()()()()()()()()()()()()()()()()()()()()()()()
Dentro e fora podem ser dois lados de uma mesma moeda: a porta pela qual se entra é a mesma pela qual se sai. Quando estamos dentro, vemos de forma idealizada o que está fora; já quando estamos fora, idealizamos o lado de dentro. Não há problema em idealizar. O problema está em não viver. Idealizar é humano! Permanecer no erro, desumano.

21/08/2012

Víbora é a mãe!

Um livro bom é aquele que nos faz perceber de modo diferente o que já achava que conhecíamos. Encontrei Hervé Bazin, pensando o que sinto. Numa das passagens do "revoltado" livro "De víbora na mão" (Vipère au Poing), seu primeiro livro, há uma frase ontológica: "Existe lugar melhor pra uma pessoa do que na família? Em qualquer outro lugar!"
E não é?

20/08/2012

Fácil e errado

As vezes fazer o errado é mais fácil.
Porque sei o que é o fácil,
Mas não o errado.
Ah, se você soubesse como sofro por fazer o fácil,
Por fazer você sofrer!...
Queria saber cuidar de você!
Mas só sei o fácil.
Porque difícil sou eu.
E erro fácil!
___________________
Pedra Azul, 2011.

19/08/2012

Carro

Carro como movimento,
Símbolo de fluxo:
Des-lo-ca-men-to.
Entro no seu carro,
Entro na sua vida,
Meto-me em você;
Saio do seu carro,
Saio da sua vida.
E por ai vai.
Às vezes entro no carro em movimento;
Às vezes nem me movimento,
Nem preciso falar.
As marcas vão demonstrar
Nossa viagem:
Velocidade,
Incompatibilidade.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Pedra Azul, 2011.

18/08/2012

Só me falta o que não tenho

Não tenho paz,
Não tenho beleza,
Não tenho dinheiro...
Mas trabalho,
Não tenho falta.

17/08/2012

Ataques

É legítima sua auto-proteção,
Como meu excesso.
E não me enxergo
Sem atacar você.
E quanto mais eu avançar,
Mais você vai recuar.
Mas ao fim da estrada não há fim.
E encosto você contra a parede
Pra ver se consigo derruba-la.
Espero o dia.

16/08/2012

Seu carrasco é você

Seu coração inda palpita quando me vê?
E quando sumo,
Ele para de bater?
Você não merece todas essas batidas,
Tantas feridas.
Você precisa correr!

15/08/2012

Dor

Quando a dor se instala
Nada acalma a alma.
E se alguém promete aliviar,
Terá de se esforçar,
Pois se não remediar,
A dor será intensa,
Será imensa.
Bem maior que você.

Mas aquela dor no peito,
Não tem jeito,
Ainda vai matar você!
Cuida do seu amor.

14/08/2012

Gênero de amor

Chegou o tempo certo
De fazer tudo errado,
De embalar nossas almas
E embolar nossas coxas.
É preciso fechar os olhos
Pra viver.

13/08/2012

Veloz!

Corro solto pelas curvas arrojadas,
Sem sinto.
E caio na estrada
Atrás de você.
Nem ouço o galo cantar
E já me vou.

12/08/2012

Papai Dé

Papai Dé um dia se foi
Sem cumprir sua missão.
É sempre assim:
Quem fica nunca se prepara para o fim.
E quem vai,
Mesmo que não se prepare,
Nunca sabe que chegou o fim,
Continua a sonhar,
Como se estivesse vivendo.
Papai Dé
Ficou até em pé
De guerra,
Pra defender as crias
E ser seus guias
Por um tempo apenas
Papai Dé
Fez o melhor que podia,
Todo dia.
Fez até poesia.
Mas tudo nunca é o bastante.
Papai Dé já não é
Como era antes,
Mas continua sendo
Alguma coisa vivendo
Em você.

11/08/2012

Quenturas

Virão
Tardes quentes de inverno,
Verão.
E à sombra da natureza morta
Repousarão os corpos nus.
O cansaço será um pretexto,
Pra construir um contexto
De prazer e comunhão,
E desvendar o ocorrido.
Até a frieza voltar
A seu devido lugar.
E quando ela voltar,
Vamos esperar um novo calor,
Um novo amor,
Que esquente a alma
E nos faça suar.

10/08/2012

Apartamento

Há um apartamento entre nós.
E nós nunca o quisemos.
Vendemos nossa alma,
Pra não encontrar a solidão.
Mas ela está aí,
De volta de viagem,
Instalada na sala,
Estrangulando nossas saudades
E paciências.
Estou fora da casa,
Por causa do apartamento.

09/08/2012

Babá

Cuida dos filhos dos outros
E ninguém olha os seus.

Limpa os filhos dos outros
E ninguém lava os seus.

Leva os filhos dos outros
E todos levam os seus.

Alimenta os filhos dos outros
E todos se alimentam dos seus.

08/08/2012

O artista e sua obra só

Artista de uma obra só,
De uma vida só,
Composta de muitas pinturas,
Muitas frases (e fases).
E poucos entendem
Seus muitos sentidos,
Suas múltiplas faces.
Ele vai morrer só.
Melhor!

07/08/2012

Ethos de classe

Tenho toda indignação contida da classe
Operária da vida.
E só me descontrolo em casa (de ferreira)
Com espeto de pau.
Precisava fazer rock,
Mas só faço sambar.
Tenho o molejo da cintura esguia de cada dia
De muita batida
E pouca folia.
E sigo enganando(-me).
Precisava contestar,
Mandar tudo parar,
Mas só sei lamentar
E achar que um dia será diferente,
Serei contente.
......................................
Desenho de Carybé.

06/08/2012

Magrela

Minha magrela se foi.
Dei duro para tê-la comigo,
Mas ela se foi.
Foi roubada de mim.
E nem cheguei a curti-la direito.
Paguei um preço alto por ela,
Mas alguém a levou pra longe de mim.
Quando se é assaltado
A raiva nos paralisa e corroi.
E os pensamentos matam mais que as (re)ações.
Mas depois a gente acostuma com a dor
E a saudade vem.
Por fim, torço para que esteja bem,
Mesmo longe de quem a idealizou,
De quem a montou.
Espero que alguém cuide bem dela.
E vivo esperando encontrá-la rodando por aí,
Passando na rua por mim.
Melhor cuidar de mim.

05/08/2012

Voltas

Quando você se acha,
Você me perde (de vista).
E eu também me perco
Sem você.
E se alguém me perguntar por onde ando,
Direi que ando torto,
Perdido por aí,
Sem sossego
Nem razão.
Ah, se a vista cansada não fosse programada!...
Enxergaria eu longe (de você),
Perto do coração,
Na rua da saudade,
Número qualquer,
Desde que nos faça rir sem parar.
Um número que caiba em nós
Dois,
Que fique apertado
Como nosso abraço.
E que nos lembre que a saudade é só o motivo pra voltar.
Há voltas e voltas:
Há aquelas que rodeiam (o amor);
E aquelas que retornam (mesmo sem querer).
Mas também há aquelas voltas enganadoras,
Que não afetam quando não se descobre (a nudez castigada),
Que chamamos de pernadas.
E eu que ando sem pernas,
Sigo (desejando) suas marcas,
Gosto de suas pegadas.
E me pego querendo mais que pisar no rastro de sua sola:
Quero dar voltas na sua cintura
E buscar o que há em mim de você.
Memórias retornam.
E meu amor, quem sabe?
Só me deixa sonhar!

04/08/2012

Em memória

Ah, memória torturante,
Da boa e velha senhora,
Que me enche de gozo!
Quando ela vier me assaltar,
Que me pegue pelado e armado.
Pra não haver ilusão de uma causa perdida
Em meio à multidão de olhares desatentos.

03/08/2012

Anulação é ilusão de amor

Anulo-me pra não anular você.
Nem sei dizer o que se passa em mim
Pra tanto desamor,
Pra tamanha auto-penitência.


Nem sempre se é o que parece,
Mas se anular é sempre indecente
E (contraditoriamente) resistente.

Já que você nunca vai poder sonhar sem idealizar
(Até sonhar é limitado),
Por que não viver de ilusão?
Anular-se é ilusionismo do bem
Que não quer mal me quer.

02/08/2012

Andei buscando (e achei) você

Andei buscando saber
O que não sei.
Andei buscando saber,
Mas cansei.
Andei buscando parar,
Mas a vontade não me deixa
Descansar
De você!
Andei,
Busquei,
Mas nada achei,
Além de você.
_________________________________________
O que há atrás da porta vermelha do seu peito?

01/08/2012

Da lua a metade inteira(mente) desequilibrada por mim

Somos de lua
cheia (de encanto).
Fujo para o meu canto
e você me agarra,
me amarra
junto a vc,
com laços embolados,
abraços apertados,
sorrisos entortados
e olhares cheios de nós.
Como é bom sentir seu corpo
no meu suor
e deitar ao lado de mim.
Não até o fim,
mas até a proxima cheia
da lua que nos rodeia
e nos atrai.

31/07/2012

Olhos molhados

Tenho olhos rasgados,
Molhados.
E não é tristeza que me comove,
Mas a dor de pensar:
A cebola do saber,
Sem mudar poder.

Tenho olhos molhados.
Mas quando a chuva cai
As lágrimas somem,
Mas você não.

E quando o sol bate forte
As águas secam
E o rosto fica marcado
De saudade.

30/07/2012

Limit(ações)

Onde há limitações,
Escolhas:
Limitações,
Ações.
Há dois lados numa mesma moeda
E olhar pra frente é tudo
O que nos resta.
Tudo que passamos,
Amarrota-nos ainda mais.
E ninguém imagina
Se não vive.

29/07/2012

Mosaico existencial

Multiplas peças,
Múltiplos olhares
E muitas realidades
Num mesmo fato.
E há quem interprete
Como se fosse tudo uma coisa só,
Prensada na moral.
Não há como não ser amoral,
Se se quiser respeitar a complexidade da vida.
Existência são pontos de partidas,
Pontos de vistas de um ser plural,
De um mosaico existencial.

28/07/2012

Blues à minha incapacidade de amar

Seca está a garrafa,
Você não parece nem um pouco.
E vou colocar em você
Essa ideia rígida de mim,
Esse meu instrumento de medir
Saudade.

Esse meu blues
Não é nada blue.
Também não é gay.
Ele é mesmo gray,
Como a fumaça que engulo,
Como o embrulho
Do meu estômago corroído,
Meu sentimento doído,
De saudade
Do que não sei.

27/07/2012

Traços

Traço tantos traços
E nunca repito os mesmos.
Sempre vejo algo novo
Onde não havia nada.
Olhar é tudo.
E a vida é nada.
Foi.
________________________
Variação sobre o mesmo tema
Não há dois corações que se toquem.
Não há um sequer.
Por isso, amar não tem sentido.

26/07/2012

Canção para embalar o sono com notícias reais

Conta o bem
Que mal não faz...
Canta bem
E mal não faz...
Esse bem,
Se não é mal,
Saberemos ao final...
Fica bem
Que mal não há...
Há não-mal
No bem ficar...
E com seu bem caminhar...
Chegará e se fartará
De um mal que bemvirá...
Se você quiser o bem,
Pode ser que mal não vem...
Mas se o mal aparecer,
Chama o bem pra adormecer...

25/07/2012

Libertarian


Você é tão liberal,
Tão natural!...
E eu, tão artificial,
Tão libertino!...
Dou tudo a quem quiser compartilhar
Da minha dor,
Do meu prazer,
E do meu copo de uísque.

24/07/2012

Conselhos aos pequenos

Meus filhos, anotem o que eu disse:
O mal não existe!
Não como se insiste,
Não com chifre.
E se achar linda aquela pessoa meiga,
Pode ser suspeita.

Não vá pelo olhar,
Aperte até quebrar
O encanto,
Que mora em cada canto
Da sereia,
Que leva até o fundo do mar,
Cheio de ilusões,
Pra afogar bem mais que mágoas.

Desconfiem e desapeguem-se,
Mas gozem!
Não esperem a próxima volta dos ponteiros.
Porque o relógio pode parar.
Vocês, não.

E quando encontrarem o "para sempre",
Diga a deus.
E vá,
Pra onde quiser.
Mas que fique claro,
Que mais que a própria vontade não há.

E pactuem a validade
Até o fim.
Lembrando-se que há sempre um novo começo
Ao final de cada fim.

23/07/2012

Veja

Não vejo mais seus olhos em mim.
Então, não me vejo mais em você.
Não me vejo mais sem você.
Não vejo mais que você,
Mesmo sem ver você.

22/07/2012

Poesia pra comissária

Aceito sim uma bebida.

E você.

21/07/2012

Trabalhar para fugir, para não fugir

Se não trabalho,
Dou trabalho
E tudo que há entre nós
Fica na memória
De quem tem...
Não carrego mais que um saco cheio de coragens
Preso a um pau duro de vontades.

20/07/2012

Conhecer é matar

Quero matar
Pra viver,
Pra me conhecer.
E vou morrer
De prazer
Por reconhecer
Que conhecer
É constranger
Mais que libertar.
É Matar!

19/07/2012

Sobre ser

Não sou mulher.
Você também não é.
Não há quem seja.
Estamos.

18/07/2012

Vista pela janela

Quero sua vista maravilhosa
Inteiramente em cima de mim.
Quero guiar seu corpo
Inteiramente atrás de você.
É um prazer enorme encontrar você,
Quase não caibo em mim,
Quase não vejo o fim.
Quero todas as alegrias contidas,
Contadas,
Antes da noite chegar,
Antes da realidade voltar
A nos cercar.
Quero sua vista predileta de quatro
Paredes retas
E um olhar distante
Pela janela da alma,
Com gargalhadas descontroladas
E saudades.

17/07/2012

Sentidos

Ele tem janelas nos dentes,
Olhos inchados,
Nariz amassado...
E não houve nada,
Nada que se possa contar,
Nada que se deva ouvir.

16/07/2012

Perdi todas

Perdi todas as lutas,
Não assisti nenhuma.
Mas lutei todas,
Dei tudo de mim.
E trago comigo os cortes
E as mortes.
São sortes
Lançadas aos fortes,
Aos que sabem perder.

15/07/2012

Lutar com você

Não tenho disposição para lutar por nada pra mim, nem por você. Mas tenho toda coragem necessária para lutar por sua condição de lutar. E luto com você.

14/07/2012

Esperança segue arisca

Espera e lança,
Laça,
Enlaça.
Esperança!
........................
Esperança é  como cavalo bravo, que não pode ser domado, só desejado.

13/07/2012

Bandeira

Quem dobraria suas roupas,
Sem dobrar você,
Senão eu?
Quem escreveria pra você,
E em você,
Senão eu?
Quem se meteria nas suas coisas,
Sem se apossar delas,
Senão eu?
"Por onde andará Stephen Fry"
E sua companhia maravilhosa?

_________________________________
Bandeira é uma música de Zeca Baleiro que está no album "Por onde andará Stephen Fry?"

12/07/2012

O violão e o violeiro cego se tocam porque não se vêem

Meu violão,
Meu bem,
Queria
Fazer
Amor
De violeiro cego:
Abraçado,
Tocado,
Sentido...
Sem pauta,
Sem limites.

11/07/2012

Dois comprimidos e um sentido

Você quer os dois comprimidos
Pela goela abaixo,

Abaixo a moral!
Você quer os dois
Atrás da sua língua,
E passar bem.

10/07/2012

Sentir

Não sinto nada por você.
Só sinto com você.
Sinto por você
Não me sentir.